janeiro 12, 2008

As Aparências Enganam

Aparências! Malditas aparências! Só se vive de aparências, porque assim é politicamente correto, porque o outro vai achar isso ou aquilo, porque a sociedade dita regras, mas cada um que pague suas contas. Mas, as aparências... ah! essas são obrigatórias, é proibido dizer o que sente, é proibido dizer que ainda existe amor, é proibido admitir que errou, é proibido declarar o amor, é proibido VIVER. Porque... é quase uma "lei" viver de aparências, fingir o que não é, fingir sentir o que não se sente, fingir que amor é coisa de antigamente, fingir que nada disso tem importância. Porque... no fundo as aparências não permitem VIVER, isso não é correto, VIVER o que se sente não é correto, porque VIVER o amor que queima no peito e implora uma oportunidade é "coisinha" de gente fraca, porque "as aparências enganam". E, tantas vezes não resta coragem para VIVER e só se vive de aparências.





Composição: Sérgio Natureza/Tunai

As aparências enganam, aos que odeiam e aos que amam
Porque o amor e o ódio se irmanam na fogueira das paixões
Os corações pegam fogo e depois não há nada que os apague
se a combustão os persegue, as labaredas e as brasas são
O alimento, o veneno e o pão, o vinho seco, a recordação
Dos tempos idos de comunhão, sonhos vividos de conviver
As aparências enganam, aos que odeiam e aos que amam
Porque o amor e o ódio se irmanam na geleira das paixões
Os corações viram gelo e, depois, não há nada que os degele
Se a neve, cobrindo a pele, vai esfriando por dentro o ser
Não há mais forma de se aquecer,
não há mais tempo de se esquentar
Não há mais nada pra se fazer, senão chorar sob o cobertor
As aparências enganam, aos que gelam e aos que inflamam
Porque o fogo e o gelo se irmanam no outono das paixões
Os corações cortam lenha e, depois,
se preparam pra outro inverno
Mas o verão que os unira, ainda, vive e transpira ali
Nos corpos juntos na lareira, na reticente primavera
No insistente perfume de alguma coisa chamada amor.

2 comentários:

Ju disse...

Amada...minha amiga...
Aparências...Gente como nós...eu...você...Vemos a aparência da alma...E isso às vezes...na maioria delas...Dói!

paula barros disse...

É mesmo querida, vivemos de aparência. Abafando o sentimento, até modificando, com receios, com medos, sendo o que não somos.
abraços

O Que Sou:

Um misto de:
Fracasso e conquista,
Coragem e medo,
Brutalidade e fragilidade,
Vida e morte, mulher e bicho,
Sonhos e pesadelos.
Sou um fio de esperança.

"Um misto de fracasso e de conquista.
Um medo transmutado de coragem.
Tão frágil como a rosa que se avista.
Brutal no cinzentismo da paisagem.
Assim mulher e bicho me retrato.
Mesclando o pesadelo com o sonho.
E vivo de incertezas... e me mato.
Num fio de esperança que reponho."
(Jorge)

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin