junho 06, 2008

Por Um Fio


Vida por um fio... Qual é a vida que está segura por uma corrente? Engraçado, nunca parei pra me dar conta que estamos de fato por um fio, em tudo, absolutamente tudo.

Dança na corda bamba
De sombrinha
E em cada passo
Dessa linha
Pode se machucar...
(João Bosco e Aldir blanc)

Qual a certeza do próximo passo? Não há, mas vivemos em constantes planos mirabolantes, tudo (quase tudo) somente com o pensamento no futuro, e o agora? Ah! O agora, não nos damos conta. E, quando nos damos conta, o agora já não é mais o agora, já virou passado.
Alguém pode dizer: "Que diabos de post mais sem pé e sem cabeça?!".
Pior é que também estou achando, (mas talvez), pela primeira vez vou escrever algo de forma direta, sem voltar a ler, para ter a certeza de que não vou mudar uma linha, uma palavra, nem mesmo uma simples vírgula.

Vamos ver que "bicho ou lixo" vira isso.

Pela simples vontade de escrever, porque passei uma semana todinha só trabalhando (acredite se quiser, em plena sexta-feira, terminei a última reunião da semana somente as 22h05), nem é reclamação, definitivamente prefiro assim; claro que há milhares de coisas mais interessantes na vida, mas essa fase de tanto trabalho tem me tirado a atenção de coisas que precisam deixar de ser o "centro das minhas atenções", trabalhar é mesmo muito bom e ainda garante as contas pagas.
Mas, o fio da vida? De que material é composto? Seria um fio de aço (como o usado nas grandes pescarias), um fio de linha (usado na confecção das nossas roupas), um fio de cabelo (que se prende ao corpo suado na hora do amor), um fio de ouro (delicado e com valor), um fio de teia de aranha (que prende suas presas), que fio é esse?
Há tantos outros fios que ainda poderiam servir de analogia, com o "fio da vida"... (fio dental, fio elétrico...).
E, o "FIO DE ESPERANÇA"? Que às vezes parece tão delicado, mas é o que nos segura, quando estamos caindo em queda livre.
Enfim, não sei o quanto de fio ainda me resta nesse carretel chamado vida, mas agora vou prestar muita atenção a cada pedacinho do meu "fio da vida", à medida que ele for se desenrolando, para ter certeza de vou aproveitar tudinho.
"Quando eu morrer voltarei para buscar os instantes que não vivi ..."
(Sophia de Mello Breyner)

4 comentários:

Luz dos olhos... disse...

Flor...
Vamos viver de maneira tão linda, tão intensa que ao morrermos nada nos reste a buscar aqui...Que a eternidade seja tempo suficiente para vivermos em plenitude num outro plano...ainda melhor ...Que viver aqui seja a festa...a noite de baile...
E eu flor, no seu baile quero aplaudir de pé o seu sucesso, a sua alegria, de flores nas mãos e sorriso mais que escancarado na cara.
Eu te amo pra sempre.
Sua Ju

blog do dudu santos disse...

Primeiro quero agradecer sempre teus comentários , sempre inteligentes, segundo acho que deve adotar para sempre o método de escrever sem corrigir, deixa pedra bruta, é mais autêntico e verdadeiro(como tudo que falo sobre arte,gesto,etc), praticar o ato da sensibilidade, o assunto é só bussola, sua sabedoria estará presente em qualquer elemento, um prego, um amor, uma cor, uma pessoa ou um "fio",os espiritas dizem que o fio da alma é o ectoplasma, e o fio da vida nasce de um extase, e o fio de nossa amizade nasce do amor
bjos

paula barros disse...

A vida é um arriscar constante.
beijos, saudades

citadinokane disse...

Quero esse fio...

O Que Sou:

Um misto de:
Fracasso e conquista,
Coragem e medo,
Brutalidade e fragilidade,
Vida e morte, mulher e bicho,
Sonhos e pesadelos.
Sou um fio de esperança.

"Um misto de fracasso e de conquista.
Um medo transmutado de coragem.
Tão frágil como a rosa que se avista.
Brutal no cinzentismo da paisagem.
Assim mulher e bicho me retrato.
Mesclando o pesadelo com o sonho.
E vivo de incertezas... e me mato.
Num fio de esperança que reponho."
(Jorge)

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin