outubro 13, 2008

Em Que Língua (ou idioma)?


Não sei ao certo, talvez uns dois anos e meio ... três.
Enfim!
Fui questionada com a seguinte pergunta:
- Em que língua você foi alfabetizada? (ou foi idioma) sei lá.
A pergunta tinha toda lógica, porque mato a língua portuguesa cometo erros absurdos (olha que eu tento).
No momento da pergunta eu perdi o rebolado, a minha cara queimou de vergonha e não tinha o que responder.
Embora não justifique deveria ter respondido que fui alfabetizada na língua/idioma do amor, meus pais são simples de pouco estudo, quase não tinham como nos auxiliar nos estudos, pois sabiam o básico (bem básico) e só tiveram a oportunidade de retornarem aos estudos na mesma época em que fomos para escola acabamos aprendendo quase ao mesmo tempo, sempre em escolas públicas (já disse que isso não justifica), o fato é que nunca fui aluna brilhante (diferente das duas irmãs mais velhas) apenas estudava para ficar na média necessária para passar de um ano para outro. Eu gostava mesmo era de brincar e como brinquei na minha infância, uma verdadeira muleca de rua, da época da petéca, amarelina, esconde-esconde, bolinha de gude (é mesmo sendo menina eu jogava bolinha de gude), queimada, casinha, CAPUCHETA e muita boneca.
Outro dia estávamos na casa da minha irmã (número três), a família toda (pai, mãe, irmãs, sobrinhos).
Brincávamos com os pequenos, com várias bexigas coloridas, um jogando para o outro, quase uma roda, os pequenos riam sem parar, uma alegria contagiante, com uma simples brincadeira que durou bem mais de uma hora, em meio daquela brincadeira toda lembrei da pergunta (acima) e a resposta estava ali, na minha frente: "A língua do amor".
Basta que eu passe os dez próximos anos mergulhada em pilhas de livros e 100% de dedicação para eu aprender as infinitas regras da nossa língua portuguesa, quem sabe eu ainda aprenda outros idiomas.
Mas... em que livro, ou, em que idioma aprende-se sobre o amor?


10 comentários:

Quase Trinta disse...

o amor não se aprende, se vive e vc aprendeu na melhor linguagem que pode existir que é a do amor.

citadinokane disse...

Sabe de uma coisa?
Adoro ficar sentadinho aqui nesse cantinho, descansando e me alimentando do néctar do mel que escorre do bico do beija-flor...
Vou de um aposento para outro, mexo nas gavetas, desvendo segredos, ah! por que sou assim?
Por que somos assim, hein??? Explica vai... Tô exausto, ainda lembro como era bom aquele tempo vadiozinho que me acompanhava. Ei tempo! Onde andas?
Vou dormir aqui, só hoje, ok?
Boa noite

aminhapele disse...

Se encontrar tal livro,diga-me por favor!
Com regras básicas,defendo que cada um deve escrever como sabe,aprendeu e se usa na sua "terra".
Assisti ao descalabro do francês,como língua de cultura,devido às imposições imperialistas de França.
De um momento para o outro,o francês foi trocado pelo inglês.
Espero que o nosso português vá dando para nos entendermos...
Veja um texto,no PEDECABRA,sobre "A Descoberta do Brasil",publicado em 1924...

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Amiga:
Preciso que você vá com urgência ao meu Blog e ponha um comentário no meu novo post.
Renata

Menina do mar disse...

No livro da vida! Ora, tu ente-lo melhor que ninguém e como é bom saber o que é o amor!! É sinal que já alguma vez o sentiste!!
Beijos Adoro-te!

Juliana disse...

Flor....você foi alfabetizada na língua do amor....por isso fala a língua dos anjos...
EU TE AMO!

Johnny Garden disse...

Estava inspirada, hein? Muito bom, o importante é a comunicação, não importa se através de palavras corretas, letras inseguras, gestos, olhares...uma de suas maiores qualidades é esse seu amor incondicional.

abração.

Diego! disse...

Nesses pequenos momentos da vida, que temos as respostas das mais complexas e capciosas das perguntas que temos que enfrentar na vida.
Me orgulho também do meu vocabulário de roça, de quem cresceu com os avós bem pertinho. As vezes assusto os amigos com palavras bem estranhas, que na minha educação eram mais que naturais.Não abro mão delas.

Adorei a maneira que escreveu esse texto. Me identifiquei, pq sempre busco escrever assim. Natural e verdadeiro.

Até...

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Talvez vc não saiba muito bem o português, mas nos deu uma lição sobre o amor.
Querida;
Estou aqui para agradecer a força dada ontem e para lhe oferecer um POST DE PAZ.
Um beijo,
Renata

Johnny Garden disse...

He he he, tem razão, até comentei e foi um post excelente. Desculpe, sou meio esquecido...

O Que Sou:

Um misto de:
Fracasso e conquista,
Coragem e medo,
Brutalidade e fragilidade,
Vida e morte, mulher e bicho,
Sonhos e pesadelos.
Sou um fio de esperança.

"Um misto de fracasso e de conquista.
Um medo transmutado de coragem.
Tão frágil como a rosa que se avista.
Brutal no cinzentismo da paisagem.
Assim mulher e bicho me retrato.
Mesclando o pesadelo com o sonho.
E vivo de incertezas... e me mato.
Num fio de esperança que reponho."
(Jorge)

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin