outubro 16, 2008

Orgasmo


De sílabas de letras de fonemas
se faz a escrita. Não se faz um verso.
Tem de correr no corpo dos poemas
o sangue das artérias do universo.

Cada palavra há-de ser um grito.
Um murmúrio um gemido uma erecção
que transporte do humano ao infinito
a dor o fogo a flor a vibração.

A Poesia é de mel ou de cicuta?
Quando um Poeta se interroga e escuta
ouve ternura luta espanto ou espasmo?

Ouve como quiser seja o que for
fazer poemas é escrever amor
e poesia o que tem de ser é orgasmo.

(Ary dos Santos)

10 comentários:

Mari disse...

Florzinha,

Muitas saudades de você.

Beijo e excelente fim de semana.

Tozé Franco disse...

Grande poeta. Um dos meus preferidos.
Um abraço.

citadinokane disse...

Fiquei nervoso, ahahaha...

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Escolheu muito bem o poema, querida, conheço o poeta.
Além de apreciar o seu Blog, vim aqui dizer-lhe que tenho mais um: o
"resenhas antigas". São as resenhas de filmes que fiz de maio até o final de agosto, pois pretendia fechar o galeria e tire tudo de lá. Não o fechei, e depois não sabia onde pôr as resenhas porque muita gente queria ver e não achava.
Publiquei as resenhas de maio: Across the universe ou a Revolução; Asas do Desejo; a sinopse de Cidade dos Anjos e o artigo sobre Blade Runner. Vá visitar o meu novo Blog:
http://resenhasantigas.blogspot.com
Um beijo,
Renata Cordeiro

Anônimo disse...

continuo a amar o seu cantinho, esfinge. beijo muito grande.

(jorge)

blog do dudu santos disse...

Acho que amanhã meu PC fica bom!!!Orgasmo!!!!!!!!!!!!!!!poesia com orgasmo, ainda melhor..
bjo do artista

Johnny Garden disse...

Como comentar o poema?

Mas vem cá, tirou férias? Ainda está devendo Leshaná Tová Ticatêv Vetechatêm, Em que língua (ou idioma), Apelidos e Hall do Elevador.

Abração.

Hellen Rêgo disse...

Noooooooooosssaaa!!!!!!!
bjs linda!!!

Emília disse...

Enorme poeta português, pena ter partido cedo, mas deixou-nos poemas fabulosos.Esse é um deles.E a imagem q você sempre sabiamente escolhe, a condizer!!

aminhapele disse...

Ainda bem que publicou o poema,amiga.
Quando pretendi mudar a imagem,no meu blg,acabei por "limpar" o poema...
Enfim,cada vez sei menos "disto"...

O Que Sou:

Um misto de:
Fracasso e conquista,
Coragem e medo,
Brutalidade e fragilidade,
Vida e morte, mulher e bicho,
Sonhos e pesadelos.
Sou um fio de esperança.

"Um misto de fracasso e de conquista.
Um medo transmutado de coragem.
Tão frágil como a rosa que se avista.
Brutal no cinzentismo da paisagem.
Assim mulher e bicho me retrato.
Mesclando o pesadelo com o sonho.
E vivo de incertezas... e me mato.
Num fio de esperança que reponho."
(Jorge)

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin