maio 31, 2007

Diferenças


Até onde as diferenças atrapalham os relacionamentos? (Todos relacionamentos sem exceção). É possível uma amizade verdadeira entre o rico e o pobre? A bendita diferença social.
Logo... havendo diferença social, tudo indica que haverá diferença cultural, raros são os que conseguem destaque diante da miséria.
Algum dia "você", "eu" (nós num modo geral) já pensou nisso?! Aceitamos os que são diferentes de nós? O que de fato analisamos ou valorizamos das outras pessoas? O que as outras pessoas analisam ou valorizam em nós?

O que são diferenças?

Será que o outro é melhor do que eu por falar 10 idiomas? Ou sou eu melhor, por ter um emprego razoável, com um certo status? Aquele que tem um carrão na garagem é melhor que nós que possuímos um carro popular, ou pegamos um belo ônibus lotado as 7h00 da matina?

O que são diferenças?

É o saldo bancário que define quem é "mais" e "melhor"? Seria ainda um Q.I de 165 o que torna alguém tão mais "brilhante" do que o outro, que possui Q.I quase no limite do retardamento? É o domínio de todos os assuntos, uma bela oratória, que diferencia a nobreza ou caráter das pessoas?

O que são diferenças?

Você aceitaria alguém tão diferente de você?
Como amigo?
Como companheiro?
Como amor?

Suportaria tantas diferenças?

18 comentários:

Rubina disse...

As diferencas esbatem-se quando nos tornamos mais permissivos. Podem ate nao desaparecer, mas e muito reconfortante aceitar o outro, que e diferente, porque nos tornamos mais permissivos e estamos dispostos a aceitar a diferenca. Mas tambem e logico que os nossos amigos, e amores, sao pessoas culturalmente proximas de nos. Abraco

Segredos da Esfinge disse...

Rubina,
Mas ainda tenho o ponto de "?" sobre as diferenças.
Para que ser tolerante? Não é mais simples aceitar as pessoas e suas diferenças.
Não acho primordial que os amigos/amores sejam pessoas culturalmente próximas de nós, é como se isso fosse uma barrreira para os sentimentos, não é?!?!
Ainda bem que não é assim, pois se fosse eu só teria por perto Mr.Bin, o Pateta e quem sabe o Tico e o Téco.
Benditas... malditas .... diferenças!
Beijos

crisblog disse...

Sabe segredos, fiquei pensando no seu post, como sempre, provocativo.
As diferenças, quando conceituadas, são perfeitas.
Aceitar o próximo como próximo, é um dos mandamentos. Aceito-os todos.
Mas, em se tratando de amor, relação homo-afetiva, não entra essa questão de rejeição quanto ao próximo, mas quanto a você mesmo.
A sua exigência interna. O amor se alimenta de diversas formas...daí
o livre arbítrio para o preenchimento da alma.

Beijos.

crisblog disse...

Ei lindinha...e as "palavras ao vento" ?

Beijos.

citadinokane disse...

Esfinge,
Em torno das diferenças, a tolerância é chave preciosa para abrir esse mundo complexo das vaidades humanas.
Te aceito de todo o meu coração.
Beijos,
Pedro

Breaking the waves disse...

O que é ser diferente????
Não faço a mínima ideia... ser tolerante é aceitar os outros sem reservas, tal como eles são e conviver com isso.
Tenho por permissa aceitar as pessoas como elas são, não tenho nada a ver com o que têm ou não têm, com o que são ou não são!

Mas sabe uma coisa? Independentemente de as aceitar, não vou dizer que convivo com todos da mensa forma. Há pessoas que eu simplesmente não consigo estar mais do que o tempo estritamente necessário, não são mais ou menos que eu, não têm mais ou menos, somos diferentes e não "encaixamos". Mas há pessoas tão diferentes e com as quais convivo diariamente e preservo essas diferenças!
No meu anterior trabalho tinha um colega e por sinal trabalhávamos na mesma sala e eu não o suportava (e ele não me suportava), no princípio foi complicado porque havia uma tensão no ar, com o tempo fomos aprendendo a lidar com isso e sempre nos respeitámos muito, chegámos a falar sobre isso. Acho que foi o exemplo máximo vivido por mim de duas pessoas que encontraram um equilíbrio entre as diferenças e o respeito enquanto seres humanos!

Agora, quando se tratam de relações mais próximas é difícil que não haja choque entre o ser. O ter, o material, penso não ser impeditivo. Mas o ser isso sem dúvida, afecta e acabamos por lidar com pessoas cujas diferenças não nos afectam.

J@de disse...

"Todo dia é um novo dia
E se eu não for do jeito que espera que eu seja
Não veja isso como uma coisa ruim
Assim as nossas diferenças
Jamais serão nosso fim"
Condição humana, Linox
Tenho ouvido essa música e achei que tem tudo a ver... se fôssemos pensar apenas nas diferenças que temos, acho que não seríamos capazes de nos relacionar, pior ainda se pensarmos que as diferenças nos fazem superiores ou inferiores...
Creio que há afinidade ou falta de afinidade, vontade e falta de vontade de estar junto....
Beijos!!

Tozé Franco disse...

Este fim de semana, o Colégio onde trabalho está em festa e o tema é "Juntos na diferença".
Vamos receber em nossa casa alunos de outros 5 colégios e cerca de 600 pessoas com algum tipo de deficiência, nomeadamente mental. Estamos preparando tudo para que se sintam em casa, pratiquem uma série de actividades desportivas e esperar que nos brindem com um espectáculo (teatro, dança e música) para inaugurar um anfiteatro ao ar livre.
vai ser um super-fim-de-semana.
Um abraço.

aminhapele disse...

ESFINGE:
No PEDECABRA publico,regularmente,historietas do meu grupo de amigos.
A nossa amizade começou na Escola Primária,pelos 6/7 anos.
Mantem-se até hoje.
Entre nós há ricos e pobres,de esquerda e de direita,de juízes e professores catedráticos,a empregados,metalúrgicos,agricultores,desempregados,polícias,médicos,advogados e,até,um que nunca precisou de fazer nada na vida.
Garanto-te que somos amigos e unidos e,embora em vários pontos do País,juntamo-nos regularmente.
Ainda hoje,todos acima dos 60,continuamos a ser os putos da Escola de S.Bartolomeu.

Menina do mar disse...

As diferenças engrandecem-nos, sempre!
Se toda a gente fosse iguak onde estaria a piada de existirmos?
É tão bom aprender com um pobre como com um rico, com um heterosexual como com um homosexual,com um branco como com um amarelo, porque todos nós temos um pouco para dar aos outros ;-)
Beijinho Esfinge

simaocireneu disse...

O bonito do bonito, mesmo, é justamente sermos diferentes. Não me interessa quem é mais, quem é menos; nem sei, ao certo, se há mais e menos. Parece-me que o tão-só fato de haver diferenças é que tira a monotonia do mundo. Mais ainda, o ser-humano é misterioso, seja o poliglota queizudo, o rico despreparado, o pobre politizado, o sensível espiritualizado, o bem-humorado desencanado, o rabugento enclausurado (ói eu aí, geeeeennn!), enfim, tantas coisas, tantas combinações! Delícia é aprender a conviver com isso e melhor ainda seria se as pessoas se ajudassem, não?
Amplexos!, e viva a diferença! (sem querer plagiar, mas já plagiando)

Edson Marques disse...

Esfinge,

Viva a Diferença!


Teum um ditado que diz que "os polos opostos se atraem". Mas, isso é apenas uma lei da Física, do eletromagnetismo. Não vale para relações humanas, ainda que Moreno tenha dito que os papéis são complementares: o senhor sempre encontra um escravo, e o ciumento ditador sempre encontra uma pobre coitada que se submete a seus caprichos. E vice-versa.

Mas eu acho que os iguais se atraem.

Em tese...


Abaços, flores, estrelas.

Osc@r Luiz disse...

Sabe, minha amiga, vou falar como biólogo...
O que assegura o sucesso e a sobrevivência evolutiva de qualquer espécie é a "variabilidade genética". Não fossem as diferenças entre os genótipos, estaríamos todos condenados à extinção. A frequencia dos genes deletérios num mesmo indivíduo aumentaria de tal maneira que tornar-se-ia insuportavel evolutiva e competitivamente.
Estamos aqui graças às nossas diferenças.
Então, um brinde à elas!
Um beijo com saudades!

jorge disse...

Tocam de Bach uma cantata
No ar evola-se o cheiro a pão
É certamente alguém que a saudade mata
Num coração que se maltrata de paixão.

Se assim não fosse por que estaria
Tocando a estas horas esquecidas do dia
Com tanto empenho, tanta emoção?

Quem assim toca morre de amor
Entre incontáveis soluços de pranto
E assim desfia clavicórdios de dor
Nas góticas estrofes de um novo canto.

jorge disse...

esperandobach.blogspot.com

Emilia disse...

Há dias ouvindo, deliciada, uma palestra do Professor Adriano Moreira, octogenário com um pensamento lúcido e profundo, ele dizia que a tolerância o obriga a gostar daquilo que não gosta, por isso prefere o respeito. Também acho que não basta tolerância para com as diferenças, sejam elas quais forem, mas sim respeitar essas diferenças.Essa é a chave para a paz. No interior de cada um de nós, nas nações, no mundo.
Abraço.

Ju disse...

Amada ...
Também tenho borboletinhas em mim....Monte delas!!
Precisamos conversarrrrrrrrrrrrrrrrrrrr
Ôh saudade mais doídaaaaaaaaa..
Te amo.

Segredos da Esfinge disse...

Cris,
Perfeito seu comentário,´que possamos encontrar esse "alimento".
(*Música devidamente postada na caixinha)
Beijinho


Pedro,
É bom saber que me aceita do modo exatamente que sou ..cheia de direfenças.
Bjos

Breaking the waves,
Seu exemplo é uma lição, aceitar e respeitar.
Beijos

Jade,
Que a vontade seja sempre maior que as diferenças.
Beijinhos

Tozé,
São exemplos assim que me fazem acreditar que existe sim a possibilidade de conviver com nossas diferenças.
Parabéns por participar das diferenças.
Abraços

A Minha Pele,
Eu tenho também algumas amizades assim e não troco por nada desse mundo.
Abraços

Menina do Mar,
É isso que espero que as pessoas entendam, sempre termos algo para "trocar".
beijinhos

Cireneu,
Também acho que o "Bonito do Bonito" seja mesmo a diferença, mas infelizmente na realidade nem sempre seja assim. Mas eu prefiro acreditar nessa possibilidade, afinal sou mesmo sempre diferente.
E para ser diferente hoje não vou deixar abraços, vou deixar... Beijos

Edson,
Sejam os "iguais" ou os "diferentes", o mais importante é o sentimento e respeito, esses sim fazem toda diferença.
Abraços

Oscar,
Maravilha saber o quanto a natureza é sábia.
Beijos

Jorge,
Vc sempre diferente.
Abraços


Emilia,
Mas eu não concordo com a tolerância, meu post quer saber se nós aceitamos as diferenças e não se toleramos.
Tolerar é muito fácil.
A questão que me faz ter um enorme ponto de "?" é saber se é mesmo necessário que os outros sejam uma espécie de cópia do que somos.
beijinhos

Ju,
Saudade mesmo.
Beijos

O Que Sou:

Um misto de:
Fracasso e conquista,
Coragem e medo,
Brutalidade e fragilidade,
Vida e morte, mulher e bicho,
Sonhos e pesadelos.
Sou um fio de esperança.

"Um misto de fracasso e de conquista.
Um medo transmutado de coragem.
Tão frágil como a rosa que se avista.
Brutal no cinzentismo da paisagem.
Assim mulher e bicho me retrato.
Mesclando o pesadelo com o sonho.
E vivo de incertezas... e me mato.
Num fio de esperança que reponho."
(Jorge)

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin